Raio-X das semifinais da Libertadores

Confira tudo sobre os jogos das semifinais - Boca x River e Flamengo x Grêmio - e participe da nossa enquete



Um dos momentos mais esperados do ano no futebol sul-americano está chegando, trata-se das semifinais da Libertadores. A disputa na fase final do torneio se inicia nesta terça-feira (01/09) em um clássico de parar o mundo. River Plate e Boca Juniors, da Argentina, reeditam a última final da competição continental.

Do outro lado da chave, um confronto brasileiro. Os técnicos Renato Portaluppi e Jorge Jesus medem forças na partida entre Grêmio e Flamengo. A primeira disputa entre os dois será na quarta-feira (02/09).

Neste clima de decisão, preparamos mais um Raio-X do CB para você leitor. Vale lembrar que a final será disputada ineditamente em jogo único a partir deste ano. A finalíssima será em Santiago, no Chile, no dia 23 de novembro, no Estádio Nacional.

Antes disso, vamos saber como chegam Boca Juniors, Flamengo, Grêmio e River Plate para as semifinais da Libertadores.

No sorteio dos mandos, ficou definido que Boca Juniors e Flamengo serão os clubes mandantes nos jogos de volta. Sendo assim, as primeiras partidas serão nos estádios do River e do tricolor gaúcho. Com isso, as definições das vagas serão na La Bombonera e no Maracanã, respectivamente. Confira quando vão ser os confrontos e o local de cada uma delas.

Jogos de ida das semifinais da Libertadores

River Plate x Boca Juniors - Terça-Feira (01/10) - Monumental de Nuñez às 21h30

Grêmio x Flamengo - Quarta-Feira (02/10) - Arena do Grêmio às 21h30

Jogos de volta das semifinais da Libertadores

Boca Juniors x River Plate - Terça-Feira (22/10) - La Bombonera às 21h30

Flamengo x Grêmio - Quarta-Feira (23/10) - Maracanã às 21h30


+ Leia Também: Times com mais títulos da Libertadores da América

Agora, confira um raio-x dos quatro semifinalistas da Copa Libertadores da América, com as informações de cada um dos times, além de seus respectivos pontos fortes e fracos.

Boca Júniors

Os xeinezes chegam com bastante moral para o Superclássico, e MUITO modificado em relação à final do ano passado, contra o mesmo River Plate. Pelo lado do Boca, dos 11 jogadores daquela finalíssima no Santiago Bernabéu, apenas dois devem entrar em campo na terça-feira: o goleiro Andrada e o zagueiro Izquierdoz. Além disso, o técnico também foi uma baixa após a derrota na Espanha. O treinador Guillermo Schelotto deixou o cargo, deixado para Gustavo Alfaro, que estava no Huracán, também da Argentina. 

Desta forma, o clube passou a ter um modelo mais defensivo de jogo. Para se ter uma ideia, o azul y oro é líder do Campeonato Argentino com oito rodadas disputadas e apenas um gol sofrido. O time está na ponta do torneio nacional com cinco vitórias, três empates e nenhuma derrota (invicto!). 

Na Libertadores da América, o Boca foi primeiro lugar, com 11 pontos em 6 jogos, na mesma chave que Athletico Paranaense, Tolima e Jorge Wilstermann. Nas oitavas, superou o Athletico Paranaense. A LDU de Quito (EQU) foi a vítima nas quartas de final. Agora, na semifinal, reedita a final contra o seu arquirrival.

Ponte forte: O sistema defensivo. Além dos excelentes números no Campeonato Argentino, o time sofreu apenas 6 gols em 10 jogos. No mata-mata da Libertadores, o Boca ainda não levou gols.

Ponto fraco: A falta de entrosamento no grupo. São várias novidades para esta temporada de Libertadores, como o meia italiano Danielle De Rossi e o atacante Salvio, ex-Benfica.

Flamengo

O Flamengo vem soberano nos últimos tempos, desde que o técnico português Jorge Jesus chegou ao clube. No Brasileirão, para se ter uma ideia, o Mengo somou 32 pontos de 39 possíveis desde a chegada do “Mister”. Neste período, são 13 jogos, 10 vitórias, dois empates e apenas uma derrota. Foram 32 gols feitos e 11 sofridos. Os cariocas ganharam muita qualidade desde a chegada de JJ.

+ Leia Mais: Conheça Jorge Jesus, novo técnico do Flamengo

Por isso, muitos consideram o Urubu favorito no clássico brasileiro diante do Grêmio, pela semifinal da Libertadores. Até aqui na competição, o Flamengo liderou o Grupo D com 10 pontos. Os adversários foram a LDU, além de Peñarol e San José-BOL. Nas oitavas, o rubro-negro superou o Emelec, do Equador, nos pênaltis. Já nas quartas, após uma vitória e um empate, passou pelo Internacional, o maior rival do seu próximo adversário. A última vez que o Flamengo havia chegado em semifinal de Libertadores foi em 1984, há 35 anos.

Ultimamente, o time carioca ganhou muita força com chegada de reforços pontuais. Os laterais à nível de Europa, Rafinha (Ex-Bayern) e Filipe Luís (Ex-Atlético de Madrid) chegaram para reforçar o contestado sistema defensivo, além do desconhecido zagueiro espanhol Pablo Marí, que deu muita liga com Rodrigo Caio. Gérson, revelado pelo Fluminense e que estava na Fiorentina, desembarcou no Rio e se tornou o pulmão do time no meio-campo. 

Ponte forte: Fator casa. Em 2019, o Flamengo tem a incrível média de 50.425 torcedores por jogo no Maracanã. A torcida empurra a equipe para ter um ótimo desempenho como mandante. Na Série A, o Urubu venceu 10 de 11 jogos em casa. Empatou uma, no último fim de semana, diante do São Paulo - 0 a 0.

Ponto fraco: A falta de peças. Quando algum pilar do time não joga, como Gabriel, Arrascaeta, Bruno Henrique, etc., os substitutos, como Vitinho, não costumam corresponder à altura. A maior discrepância é na lateral. Quando Filipe Luís e Rafinha não jogam, Renê e Rodinei são os substitutos, respectivamente. 

Grêmio

A equipe comandada por Renato Gaúcho vem de um bom momento há anos. Mais precisamente, desde 2016, quando o técnico assumiu. Portaluppi é o maior ídolo da história do imortal pelo que fez dentro e fora de campo. O treinador já venceu Libertadores como jogador e técnico do clube gaúcho. Em 2016, venceu a Copa do Brasil. No ano seguinte, a Libertadores da América e o vice no mundial - perdeu a final por 1 a 0, gol de falta de Cristiano Ronaldo, para o Real Madrid.

De certa forma, pelo momento mágico que vive o adversário Flamengo, o tricolor chega como azarão para este confronto. Mas a experiência deste elenco na competição pode falar mais alto. Depois de quase não se classificar na primeira fase, o Grêmio conseguiu uma arrancada espetacular que o trouxe até aqui, nas semifinais. Passou em 2º no Grupo H, contra Libertad, Universidad Católica e Rosário Central. Depois, deixou para trás, sem sustos, o Libertad (oitavas). Nas quartas, superou um dos favoritos ao título após perder o jogo de ida em casa: passou pelo Palmeiras, em pleno Pacaembu.

Nos últimos anos, o time sofreu um pouco com o próprio sucesso. Arthur, volante importantíssimo na Libertadores de 2017, foi vendido ao Barcelona. O mesmo aconteceu com Walace, no ano anterior, depois de se destacar na conquista da Copa do Brasil. O volante atua na Udinese, da Itália. Por outro lado, surgiram novos jogadores que despontaram - como Matheus Henrique, Leonardo Gomes, Jean Pyerre e Pepê.

Ponte forte: Entrosamento, identidade e experiência. A base do time vem de anos, desde 2016 com o plantel formado por Roger Machado. Todos conhecem o Grêmio. Jogadores como Maicon, Geromel, Kannemann, Luan e Cortez são nomes certos nas escalações de Renato Gaúcho. Inclusive, o tricolor tem como trunfo o seu treinador falastrão, mas que se garante com resultados e é identificado com a torcida. E o que dizer de um elenco que já venceu a Libertadores e tem experiência no torneio? Por isso, nunca é bom subestimar o imortal. 

Ponto fraco: Irregularidade. Partidas de videogame, partidas vexatórias. Este é o Grêmio de 2019 que ao mesmo tempo em que perdeu para o Fluminense em casa após estar ganhando por 3 a 0, também reverteu um resultado improvável contra o Palmeiras na Libertadores. De time que quase foi eliminado na primeira fase, ao plantel que superou o bom Santos de Jorge Sampaoli, na Vila Belmiro, por 3 a 0. Qual Grêmio veremos em campo nas semi da Libertadores? Façam suas apostas!

River Plate

Marcelo Gallardo está para o River como Renato Gaúcho está para o Grêmio. Só para se ter uma ideia. O treinador é muito identificado com os Millionarios e venceu a disputa no ano passado, em final emocionante contra o Boca Juniors, eterno rival. Até por isso, o técnico se manteve no cargo e o elenco é basicamente o mesmo. Apenas o zagueiro Maidana que se transferiu ao Toluca do México e o meia-atacante Pity Martínez, eleito o melhor da América no último ano, que foi para o futebol dos Estados Unidos: para o Atlanta United. Os respectivos substitutos já participavam deste plantel, o que facilita as coisas.

Até aqui na Libertadores, o River foi passando o trator nos oponentes, como de costume. Foi 2º lugar no Grupo A, que também tinha Internacional, Palestino e Alianza Lima. Mas, depois, mostrou o peso do nome e se reinventou na fase decisiva. Superou o Cruzeiros nos pênaltis, em pleno Mineirão, nas oitavas de final e passou pelo bom time do Cerro Porteño, do Paraguai, na fase seguinte. Agora, chega mais uma vez ao Superclássico.

No Campeonato Argentino, o clube de Buenos Aires está instável. O momento não é bom. São 4 vitórias, 2 empates e 2 derrotas em oito jogos, números bem aquém do seu rival Boca Juniors. Os Millionarios são 7º colocado no “Argentinão”.

Ponte forte: Venceu ano passado com esse time. Como já falamos, apenas dois jogadores do time-base que venceu no ano passado a Libertadores deixaram o clube: Maidana e Martínez. Isso ajuda, dá mais força ao time e à camisa. O treinador super identificado Marcelo Gallardo também está mantido. Como diz o ditado, “em time que está vencendo, não se mexe”.

Ponto fraco: Lesões. Vários atletas vem de lesões recentes, o que força o time a ter menos entrosamento do que o habitual. Para se ter uma ideia, vários jogadores têm expectativa de volta, mas são dúvidas para os duelos diante do Boca. Entre eles, o centroavante Lucas Pratto, ex-Atlético Mineiro e São Paulo, além do meia colombiano Quintero, ex-Porto. 


Para você, quais serão os times que vão passar para a final da Libertadores 2019 em Santiago, no Chile? Vote e participe da nossa enquete!

Em 30/09/2019 por Matheus Alves

jogos semifinais Libertadores 2019 raio-x
Voltar