Conheça Filipe Luís, novo reforço do Flamengo

Estudioso, obcecado por sempre melhorar, inteligente e cheio de curiosidades. Confira o perfil do novo lateral do Flamengo, seu passado, presente e futuro



Filipe Luís, lateral-esquerdo de 33 anos, é o novo reforço do Flamengo. A trajetória do defensor no Brasil é muito curta. Filipe iniciou como profissional no Figueirense, aos 18 anos e dois anos mais tarde seria transferido ao Ajax, da Holanda. Da cidade de Jaraguá do Sul, no interior catarinense, o hoje atleta da Seleção Brasileira ganharia o mundo. Foram 15 anos de Europa. Agora, no Flamengo, seu clube de coração, Filipe volta ao Brasil respaldado por uma carreira de sucesso e chega com um objetivo não muito difícil se colocarmos em paralelo com sua trajetória. Experiente e rodado, o lateral quer continuar ganhando títulos, ser decisivo e terminar sua história no futebol onde toda a sua paixão pelo esporte começou: no rubro-negro carioca.

No esporte da bola nos pés, Filipe Luís se divide em três paixões, duas em terras brasileiras. Há uma identificação grande com o clube que o revelou, o Figueirense. Na Europa, os oito anos e vários troféus conquistados no time criaram um vínculo eterno com o Atlético de Madrid, da Espanha. Mas foi vendo o Flamengo que o lateral esquerdo se apaixonou por esse tal futebol. A lembrança mais marcante é de ter visto, de Jaraguá do Sul, pela televisão, o antológico gol de falta do sérvio Dejan Petkovic, no Campeonato Carioca 2001. Aquele tento contra o Vasco, aos 43 minutos do segundo tempo, deu não só o título estadual ao Fla, como também um certificado definitivo de amor ao rubro-negro carioca.

E olha que não foi fácil fazer o pequeno Filipe Luís Kasmirski seguir nesse esporte. O vício era mesmo por outras modalidades, como o tênis, o ciclismo e o skate. Mas o pai, Moisés, foi um goleiro frustrado, que não conseguiu chegar aos profissionais. Por isso, Filipe conta em entrevistas que praticamente foi obrigado por seu progenitor a seguir no caminho do futebol. O início foi no futsal, em Jaraguá, mas logo aos 14 anos teve de deixar a comodidade da casa dos pais para se aventurar, sozinho, em Florianópolis. O objetivo? Receber uma oportunidade nos gramados.

O início e adaptação à lateral

Em Floripa, iniciou nas categorias de base do Figueirense para atuar como meia-esquerda. Lá, foi treinado por Hemerson Maria, ex-técnico do Vila Nova e que hoje está no comando técnico da equipe profissional do alvinegro catarinense. Maria foi o comandante da base do Figueira por 10 anos, no início do século. O treinador conversou em exclusividade com a equipe do Campeonato Brasileiro e deu mais detalhes sobre o Filipe. 

“O Filipe sempre foi muito comprometido e sério. Chegou de Jaraguá do Sul, passou pelas categorias infantil e juvenil do Figueirense. Começou a se destacar e subiu muito rápido para o profissional. Na base, chegou jogando de meia esquerda pois sempre foi um atleta com boa qualidade técnica. Mas na transição do sub-17 para o sub-20 se tornou lateral-esquerdo”, afirmou Hemerson.

O comandante que viu Filipe surgir no esporte destaca uma mudança importante nas características do jogador. Hoje um defensor nato, o lateral sofreu nos seus primeiros passos no campo com a marcação, uma deficiência inicial na época em que atuava em Florianópolis. Para Maria, passar por treinadores como o português José Mourinho e o argentino Diego Simeone fizeram de Filipe Luís um defensor completo.

“Hoje a característica dele é de ser um lateral mais equilibrado. Procura primeiro marcar e tem um bom passe. Tenho certeza de que o Filipe vai agregar muito para o Flamengo, especialmente na parte defensiva. É um cara vencedor e sempre venceu por onde passou. Essa questão defensiva foi muito aprimorada, pois trabalhou muito com o Mourinho no Chelsea e com o Simeone no Atlético de Madrid. Acredito que vai se adaptar bem ao esquema do Flamengo”, analisou Maria, que também acredita no sucesso do lateral aqui no Brasil.

Quádrupla nacionalidade

A cidade de Jaraguá do Sul, onde Filipe Luís nasceu, possui uma população formada em grande parte por descendentes poloneses, italianos e austríacos. E o lateral tem tudo isso no sangue. Brasileiro nato, o pai do defensor vem de origem polonesa, o bisavó de sua mãe era austríaco, enquanto a vó de Filipe tem raiz italiana. Por isso, no início de sua trajetória no futebol, Filipe poderia até ter escolhido trilhar o seu caminho pela Seleção Polonesa, por exemplo. Seguiu na Canarinho e hoje é o titular da posição, tendo vencido a Copa América de 2019 entre os onze iniciais a maior parte do torneio.

E nada como uma Copa para superar outra. Para o lateral de 33 anos, a derrota mais doída da carreira foi para a Bélgica, nas quartas de final da Copa do Mundo de 2018, na Rússia. Apesar de ter sido reserva no confronto, o atleta diz ter sido pior do que as perdas nas finais da Champions League em 2014 e 2016. Nessas ocasiões, o Atlético de Madrid perdeu as duas decisões para o seu maior rival, Real Madrid, com Filipe Luís de titular. 

Os 15 anos no Velho Continente 

O cabeludo “Filipinho” sempre pareceu destemido. Na infância, a brincadeira preferida era brincar de pique-esconde com amigos e familiares no cemitério que ficava perto da casa de sua avó. A coragem marcou sua carreira. Desde a saída de casa aos 14 anos, a obsessão por melhorar como defensor, até se tornar um dos maiores ídolos da história do Atlético de Madrid. 

E por tudo isso, se aventurou cedo na Europa. Aos 20 anos, o lateral já era contratado pelo Ajax, da Holanda, sendo apresentado pelos históricos Louis Van Gaal e Ronald Koeman, então técnico do clube. Depois de apenas uma temporada em Amsterdã, foi para a Espanha, onde conheceu sua esposa e com quem teve três filhos: Sara, Tiago e Lucas. Por lá, atuou por um ano no Real Madrid B, até ser contratado pelo Deportivo La Coruña - defendeu a instituição entre 2006 e 2010.

Em 2010, Filipe Luís se transferiu ao Atlético de Madrid, clube com maior identificação na carreira. No Atleti, Filipe conseguiu oito títulos, sendo dois trofeus de Liga Europa. Foram quase 350 jogos pela instituição comandada por Diego Simeone. Ao todo, 12 gols marcados nos colchoneros.

Entre 2014 e 2015, o lateral teve rápida passagem pelo Chelsea, da Inglaterra. Chegou fora de forma ao clube treinado por José Mourinho e perdeu espaço para o espanhol César Azpilicueta. Um ano mais tarde, voltaria ao Atlético de Madrid para terminar sua história com o time que o mostrou como ótimo lateral a todo o mundo.

Todo esse sucesso no Velho Continente fez com que Filipe chegasse à Seleção Brasileira. A primeira convocação foi em 2009, após um corte de Marcelo, do Real Madrid. Desde então, volta e meia ganhou oportunidades na Canarinho. Integrou o grupo na Copa do Mundo 2018, além da Copa América de 2019 e Copa das Confederações de 2013 - essas últimas vencidas pelo Brasil.

Leia Também - Conheça Jorge Jesus, novo técnico do Flamengo

Títulos de Filipe Luís

Figueirense

  • Campeonato Catarinense: 2003 e 2004

Ajax

  • Campeonato Holandês: 2004
  • Supercopa dos Países Baixos: 2005

Atlético de Madrid

  • Liga Europa: 2011–12, 2017–18
  • Supercopa da UEFA: 2010, 2012, 2018
  • Campeonato Espanhol: 2013–14
  • Copa do Rei: 2012–13

Chelsea

  • Copa da Liga Inglesa: 2014–15
  • Campeonato Inglês: 2014–15

Seleção Brasileira

  • Copa das Confederações: 2013
  • Copa América: 2019

O obcecado por conhecimento

E para fechar o perfil de Filipe Luís, não poderíamos deixar de tratar um ponto pouco visto entre os jogadores. O lateral é totalmente obcecado por estudar, conhecer as coisas e assistir filmes. Aos 2 anos de idade, chorava para mãe pois ainda não conseguia ler ou escrever. Dois anos mais tarde, já estava alfabetizado.

Quando criança, falava em ser médico ou cientista. Até hoje é um entusiasta da astrofísica, a origem e a evolução dos astros. E que evolução do astro Filipe Luís, não é mesmo? O lateral inclusive já foi à palestra de Stephen Hawking, um dos maiores físicos da história e que faleceu em 2018. O assunto astrofísica o atrela a outro vício: o cinema.

Em entrevista ao repórter Tino Marcos, que fez o perfil de Filipe Luis ao Jornal Nacional no último ano, Filipe Luís já admitiu ter assistido o filme “Interstellar”, lançado em 2014, cerca de 20 vezes. A ficção científica de Christopher Nolan é uma das obras preferidas do experiente defensor. No filme, a história é de um grupo de astronautas que procura um novo lar para os seres humanos. 

Na infância, uma das atividades prediletas era se deitar diante da TV com o irmão e assistir, juntos, o clássico “O Rei Leão”. Em busca do conhecimento em tudo, Filipe levou quatro filmes legendados quando se transferiu à Holanda e os assistia incessantemente até decorar as falas em inglês, no objetivo de aprender a língua estrangeira. 

Outra paixão do nerd Filipe é o xadrez. Para estudar estratégia e raciocínio, o catarinense joga cerca de 20 partidas do esporte por dia. Admitiu que quando perde se sente menos inteligente que o oponente, e que por isso não gosta desse sentimento. Mais uma vez, procura sempre melhorar.

A obsessão pelo conhecimento ajuda o lateral dentro das quatro linhas. Para o atleta, ele consegue antecipar bem o que os adversários vão fazer. O raciocínio rápido adquirido com seus estudos e a prática do xadrez o faz criar na mente, durante os jogos, estratégias para explorar os pontos negativos do adversário.

E na coletiva de apresentação ao Flamengo, Filipe Luís deu o recado. Por sua capacidade de leitura de jogo e inteligência, quer ser treinador de futebol - inclusive do Mengão - depois que pendurar as chuteiras. Estudioso, esforçado e eficiente, Filipe chega ao Flamengo, mesmo aos 33 anos e com 15 anos de rodagem na Europa, para vencer. Afinal, para ele não há outra opção.

Em 07/29/2019 por Matheus Alves

Filipe Luís lateral Flamengo times títulos
Voltar