Empresas de Material Esportivo e os times da Série A

Seu clube vale quanto veste? Retorno da Umbro e ressurgimento da Topper no mercado da Série A predominam no varal do Campeonato Brasileiro 2018.



Por Nilo Almeida

   Os uniformes utilizados pelos clubes de futebol são um dos fatores mais importantes na composição de suas identidades. Nos “mantos sagrados” vestidos pelos atletas e torcedores está inscrita a história de um time, a celebração dos momentos de glória e a recordação das maiores derrotas.

   Símbolos da paixão do torcedor, as camisas de futebol são hoje um produto de marketing muito explorado e que em muitos casos são a maior fonte de geração de renda para os clubes, superando o faturamento com negociações de jogadores e a venda de ingressos das partidas disputadas em seus domínios.

   Ao fim de cada temporada é comum o surgimento de especulações sobre quebras, renovações e principalmente novos contratos de fornecimento de material esportivo, desde os maiores clubes do futebol europeu até clubes de menor expressão em mercados emergentes no futebol.

   A disputa pelas melhores vitrines do mundo da bola faz com que grandes expoentes como Adidas, Nike, Puma e Under Armour se lancem numa corrida por inovações tecnológicas e desenvolvimento de estratégias de marketing cada vez mais sofisticadas, buscando o melhor aproveitamento da exposição destas marcas aliada a um bom rendimento financeiro para os clubes.

   Além dos contratos com fornecedoras de material esportivo a camisa do clube é seu principal produto de marketing, logo uma das principais fontes de receita. Os chamados patrocínios máster, cujos valores são mais altos e garantem ao investidor uma exposição privilegiada de sua marca aliada ao clube, ocupam posição de destaque em camisas que mais parecem páginas, repletas de anunciantes.

   O faturamento dos clubes explorando suas marcas tem sido um fator decisivo no desempenho desportivo apresentado no Campeonato Brasileiro da Série A. Nas últimas edições Corinthians (2015 e 2017) e Palmeiras (2016) se alternaram como campeões brasileiros, o clube alviverde venceu ainda uma Copa do Brasil (2015), e Corinthians conquistou o bicampeonato paulista em 2018.

   Com uma parceria milionária estabelecida com a Crefisa, o Palmeiras conta ainda com o patrocínio da Adidas que lhe rende cerca de R$ 20 milhões anuais, em um contrato firmado em 2006 e que termina em 2018. O clube paulista acertou com outra empresa alemã, a Puma, um contrato até 2021, e receberá cerca de R$ 25 milhões por ano.

   Podendo gastar, o alviverde montou o terceiro elenco mais caro do futebol brasileiro com um média de idade de 27,8 e avaliado em R$335 milhões. O Flamengo lidera este ranking com seu elenco avaliado em R$371 milhões e média de idade de 26,5 seguido pelo Grêmio, cujo plantel de média de idade de 27,1 está avaliado em R$346 milhões.

   Já o lado alvinegro de São Paulo vive situação oposta, e joga pelo segundo ano seguido a Série A do Brasileirão sem ter um patrocinador máster. Há anos o clube busca um contrato de namming rights para sua arena, inaugurada em 2014, onde o Corinthians já conquistou dois títulos do Campeonato Brasileiro, somando sete conquistas.

   Os times campeões nacionais em 2015 e 2017 foram desmontados e nem mesmo a melhor média de público do brasileirão nos últimos anos pode amenizar a falta de patrocínios, sendo inevitável que o time sofra recorrentemente com a perda de jogadores e até mesmo de sua comissão técnica para o futebol países como Arábia Saudita e Egito.

   Vestindo Nike desde 2003, o Corinthians tem o patrocínio mais duradouro do futebol nacional, e estendeu até 2029 o contrato com a marca que lhe paga atualmente R$ 40 milhões por ano. Em uma reação rápida à perda do contrato com o Palmeiras, a Adidas fechou recentemente com o São Paulo, e vestirá os tricolores até 2023. O clube receberá 26% do valor de cada produto vendido pela fornecedora além de R$ 15 milhões anuais.

   O Flamengo é outro gigante do futebol brasileiro que busca um patrocinador máster mas tem atualmente um alto poder de investimento para compor seu elenco, fruto de boas negociações de atletas jovens, como a venda de Vinícius Júnior para o Real Madrid, por R$ 164 milhões. Os rubro-negros têm ainda uma parceria firmada com a Adidas até 2023, e recebe R$ 37 milhões desde 2013 para ir a campo vestindo uniformes da empresa alemã.

   Com faturamento muito menor que os rubro negros os rivais cariocas têm contratos mais modestos. Fluminense e Vasco, patrocinados por Under Armour e Diadora, respectivamente. Os clubes não divulgam o valor destes contratos e informam que têm rendimentos maiores com os royalties que recebem pelas vendas dos produtos que levam suas marcas, com cotas superiores a 20%.

   A Under Armour perdeu há pouco seu contrato com o São Paulo e prevendo que perderia espaço no tricolor para a Adidas, acertou com o Sport - que rompeu com a Adidas - um contrato de R$ 12milhões até 2023. Assim como a Diadora, a Lupo patrocina apenas um clube, o América Mineiro e figura com a Topper entre empresas brasileiras presentes nos clubes da primeira divisão.

   A inglesa Umbro lidera entre as fornecedoras dos vinte times que disputam a Série A em 2018, e patrocina seis clubes. A lista de parcerias impõe respeito, reunindo Atlético Paranaense, Bahia, Chapecoense, Cruzeiro, Grêmio e Santos. Com um modelo de camisas que relembra os uniformes destes clubes na década de 1990, a Umbro se destacou em sua retomada de investimentos no futebol brasileiro.

   A brasileira Topper tem cinco patrocínios firmados com clubes da Série A: Atlético Mineiro, Botafogo, Ceará, Paraná e Vitória. A marca volta a ter uma presença expressiva no Brasileirão, mas nada que se compare ao destaque que teve décadas atrás, quando travava uma disputa pela hegemonia entre os grandes clubes do país com a conterrânea Penalty, e vestiu até mesmo a Seleção Brasileira.

Veja a seguir os valores pagos aos clubes da Série A do Brasileirão em 2018:

ADIDAS (3)

FLAMENGO

Fornecedora: Adidas

Início do contrato: 2013

Encerramento: 2023

Quanto paga: cerca de R$ 37 milhões por ano

PALMEIRAS

Fornecedora: Adidas

Início do contrato: 2006

Encerramento: dezembro de 2018

Quanto paga: cerca de R$ 20 milhões por ano

SÃO PAULO

Fornecedora: Adidas

Início do contrato: 2018

Encerramento: 2023

Quanto paga: R$ 15 milhões anuais pagos pelo patrocínio, 26% de royalties por produto vendido

NIKE (2)

CORINTHIANS

Fornecedora: Nike

Início do contrato: 2003

Encerramento: 2029

Quanto paga: cerca de R$ 40 milhões por ano

INTERNACIONAL

Fornecedora: Nike

Início do contrato: 2012

Encerramento: 2019

Quanto paga: cerca de R$ 15 milhões por ano

TOPPER (5)

ATLÉTICO-MG

Fornecedora: Topper

Início do contrato: 2017

Encerramento: 2021

Quanto paga: cerca de R$ 13 milhões por ano

BOTAFOGO

Fornecedora: Topper

Início do contrato: 2016

Encerramento: 2019

Quanto paga: cerca de R$ 13 milhões por ano

CEARÁ

Fornecedora: Topper

Início do contrato: 2016

Encerramento: 2019

Quanto paga: não divulgado

PARANÁ CLUBE

Fornecedora: Topper

Início do contrato: 2016

Encerramento: 2019

Quanto paga: não divulgado

VITÓRIA

Fornecedora: Topper

Início do contrato: 2017

Encerramento: 2021

Quanto paga: não divulgado

UMBRO (6)

ATLÉTICO-PR

Fornecedora: Umbro

Início do contrato: 1997

Encerramento: O contrato iria até 2017 e o clube ainda não foi procurado para tratar da renovação.

Quanto paga: cerca de R$ 5 milhões por ano

BAHIA

Fornecedora: Umbro

Início do contrato: 2016

Encerramento: 2018

Quanto paga: não divulgado

CHAPECOENSE

Fornecedora: Umbro

Início do contrato: 2010

Encerramento: 2018

Quanto paga: não divulgado

CRUZEIRO

Fornecedora: Umbro

Início do contrato: 2016

Encerramento: 2019

Quanto paga: cerca de R$ 10 milhões por ano

GRÊMIO

Fornecedora: Umbro

Início do contrato: 2015

Encerramento: 2018

Quanto paga: cerca de R$ 17 milhões por ano

SANTOS

Fornecedora: Umbro

Início do contrato com a Umbro: 2018

Encerramento: 2020

Quanto paga: cerca de R$ 8 milhões por ano

UNDER ARMOUR (2)

FLUMINENSE

Fornecedora: Under Armour

Início do contrato: 2017

Encerramento: 2020

Quanto paga: não divulgado

SPORT

Fornecedora: Under Armour

Início do contrato: 2018

Encerramento: julho de 2023

Quanto paga: cerca de R$ 12 milhões por ano

MARCAS COM APENAS UM CLUBE (2)

AMÉRICA-MG

Fornecedora: Lupo

Início do contrato: 2013

Encerramento: 2018

Quanto paga: não divulgado

VASCO

Fornecedora: Diadora

Início do contrato: 2018

Encerramento: 2021

Quanto paga: não divulgado

Série A Material Esportivo
Voltar